05
abr
11

E.T.A. Hoffmann morde e também assopra

É impossível não notar as semelhanças entre o personagem androide de Morde e Assopra e o autômato de E.T.A. Hoffmann. É bem provável que Walcyr Carrasco tenha tido contato com a obra de Hoffmann. Os mesmos elementos estão lá, apenas com algumas correções de época, servindo (voluntária ou involuntariamente) como forma de mascarar a fonte. Trata-se da ideia do autômato, criado por um cientista, pelo qual um estudante se apaixona. É o mesmo roteiro apresentado por Hoffmann, salvo, como já dito, diferenças básicas de época. A criatura de Hoffmann é Olímpia, a de Walcyr é Naomi e, incrivelmente, as duas tocam piano perfeitamente e, num determinado momento da história, ao tocarem piano, arrebatam o o coração de algum rapaz ingênuo ou cego. Apesar de Hoffmann tender ao fantástico, quando trata da essência que faz o autômato parecer vivo, Carrasco ateve-se a recursos científicos e tecnológicos (ou será que não?). Recursos esses que nos levam a mais fontes.

Portanto, cabe aqui outras referências quando o assunto é a mulher-robô do autor de novela.

Não se pode deixar de fora o filme Mulher nota mil, famoso nos anos 80, onde a criatura, objeto de desejo, foi idealizada por garotos incapazes de ser populares e, consequentemente, de se envolver amorosamente com mulheres de verdade. Garotos com um computador e uma dose de sorte nas mãos. Ainda sobre a necessidade de ter um sentimento preenchido temos Pigmaleão e seu amor pela mulher ideal, construída por ele e trazida à vida por Afrodite, devido à insistência do escultor. Portanto, a ideia de autômatos cuja finalidade fosse a de realizar tarefas para nós ou suprir uma necessidade sentimental não é recente, e sim, basicamente, dos primórdios da cultura. O Golem, criatura antropomórfica, moldada com barro, era forte, obediente e controlável. Era o defensor da sociedade judaica. E, na lenda judaica, o Golem é a representação básica do homem, criado por Deus. Esse homem primordial seria também um autômato em essência (imagem e semelhança). Bem, voltemos à figura mecânica feminina, que é o foco noveleiro do momento.

Os robôs da ficção científica povoam livros e filmes, como Blade Runner, onde o homem se apaixona pela máquina que deveria eliminar, ou os robôs servos da literatura de Asimov. Tais elementos nos levam a questionar o que há de amor ou intimidade reais entre homem e máquina (Alguém aí se lembra de Cherry 2000, péssimo filme sobre uma boneca robô de sexo?), ou o por quê de humanizarmos as máquinas com atitudes e posturas humanas. Exemplos mais agressivos podemos notar em Battlestar Galactica, com os modelos femininos de cylons.

É óbvio que o autor noveleiro terá em mãos maiores recursos técnicos do que Hoffmann jamais sonhou em ter para prolongar a trama, podendo evitar semelhanças ou mascarar os caminhos até as fontes onde bebeu. A novela da Globo tem tudo para ser decepcionante (assim penso eu, pois, em geral, elas são), e a boneca de sexo do autor Walcyr Carrasco será o estereótipo copiado da literatura para a forçar uma ideia generalizada de que todo homem, por amor possessivo, abre mão de tudo o que conquistou na vida, põe o futuro a perder e é capaz de vender até a mãe. Ou será possível preferir a superficialidade do padrão Globo de um ideal de amor (tantas vezes repetido em novelas) ao caráter substancial do personagem ensandecido de Hoffmann, enganado e contrariado, vítima de chacota, ainda que apaixonado?

Particularmente, fico com Hoffmann.

.

..

….

Anúncios

3 Responses to “E.T.A. Hoffmann morde e também assopra”


  1. abril 6, 2011 às 12:07 am

    já dia alguém nada se cria tudo se copia, mas quando a cópia e descarada que lástima!

  2. abril 14, 2011 às 7:32 am

    Não acompanho essa novela, mas já vi algumas cenas. Boa análise, Luciano.

  3. abril 15, 2011 às 9:36 pm

    Pois é, parece que agora o roteiro percorre um caminho meio ao estilo “O Homem Bicentenário”. A máquina se questionando sobre sua humanidade incompleta. A vantagem da novela é essa, de se estender e, ao mesmo tempo, poder mudar as coisas num determinado momento da trama.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


ALGUNS DIREITOS RESERVADOS

UMA FICÇÃO

...seu tema é a relação entre a realidade do mundo que habitamos e conhecemos por meio da percepção e a realidade do mundo do pensamento que mora em nós e nos comanda. O problema da realidade daquilo que se vê — coisas extraordinárias que talvez sejam alucinações projetadas por nossa mente; coisas habituais que talvez ocultem sob a aparência mais banal uma segunda natureza inquietante, misteriosa, aterradora — é a essência da literatura fantástica, cujos melhores efeitos se encontram na oscilação de níveis de realidades inconciliáveis.

..................................

- CONTOS FANTÁSTICOS DO SÉCULO XIX (Ítalo Calvino)

..................................

MEUS BLOGS

TEMPUS FUGIT

abril 2011
D S T Q Q S S
« dez   maio »
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

QUANTAS VEZES VIERAM

QUANTOS JÁ VIERAM

  • 9,180 Visitantes desde Julho de 2008

Parceiros Fantásticos

Seja fã no BlogBlogs

BlogBlogs

%d blogueiros gostam disto: